A vida é para todos, mas poucos vivem ela. O tempo não dá nó, tudo é uma lição. Sentei lá no fundo mas prestei atenção que pra se manter em pé e seguir nessa trilha. O medo é opção, coragem é respeito. Tentar é obrigação, tem que ser desse jeito. Porque a vida é pra aprender, a vida é pra curtir, sorrir e pra chorar, ter alguém pra dividir. O que espero de você é um pouco mais de calma, porque daqui nada se leva.

Nx Zero. (via extinta)

Tristeza é quando chove, quando está calor demais. Quando o corpo dói e os olhos pesam… Tristeza é quando se dorme pouco, quando a voz sai fraca, quando as palavras cessam e o corpo desobedece. Tristeza é quando não se acha graça, quando não se sente fome, quando qualquer bobagem nos faz chorar.

Martha Medeiros. (via consertado)

Mas tudo bem, tô calmo e ponderado. Embora a vontade seja de agredir todo mundo, dizer meia dúzia de verdades e sair pisando duro. Não vou fazer nenhuma loucura.

Caio Fernando Abreu.  (via separadoss)

Duvide do que vem fácil. E não desista do que é difícil.


A gente vai empurrando e deixando e remendando e engolindo e fingindo. Chega uma hora em que arrebenta a ferida: estoura, explode, sai pus, nojeiras e afins. É nesse momento que, ao invés de Band-Aid, pomada e beijinho, a gente precisa espremer mais um pouco e, quem sabe, enfiar o dedo fundo, forte, pesado e sentir a dor percorrer cada centímetro do corpo. É só após esse processo que tudo cicatriza – e a gente descobre até onde vai a própria força. E se supera.

Clarissa Corrêa.  (via deprimentes)

Deixa ela se sentar na beirada da tua cama e te acordar de surpresa – pra morrer de susto e minizar esse teu medo de aproximação. Deixa ela pender dum balanço, com as mãos pro alto e com os olhos fechados, sentindo a brisa da insegurança na cara e no corpo enquanto você se mobiliza pra não deixá-la cair. Entende o que é carinho e cuidado, rapaz. Deixa ela mudar as tuas coisas de lugar pra você pedir desculpas depois do ataque de raiva e perceber que viver sozinho não tinha essa incerteza toda, esses nervos à flor da pele dela que varam a casa com um perfume. Mesmo não admitindo que seu olfato ainda não se adaptou. Estranha tudo nela, moço. Estranha as calças, as cores, as provas de roupa demoradas, a ternura por programas infantis e se agarra nisso pra não cair num sofá de sala sozinho com pizza e cerveja na mão. Cai com ela e se suja todo de gordura e calabresa pra descobrir que a pizza vem fatiada por alguma razão.Deixa ela escolher o cinema, o horário e a sessão e fica nervoso com o atraso dela. Pensa que ela não gostou de você e que foi uma péssima ideia ter saído de casa, ter saído na chuva, ter saído com ela porque ela nem era tanta coisa assim ou era muita areia pro seu caminhãozinho e calma que ela já chegou. Vai me dizer que essa menina não te tira sorriso nenhum? Nega pra mim, porque pra ela já não cola mais. Que ela não te faz tremer um pouco ou bater a perna irritantemente num ritmo desacelerado por baixo da mesa do bar. E as tuas mãos ficam suadas durante o filme e você esbarra nela sem saber se pega nas mãos dela ou não. Pro beijo foi fácil e o pulo da intimidade de segurar as mãos dela, de envolvê-la nos dedos, nos laços e numa ternura só é que fica difícil. Você não ousa desafiar a tua memória e se esquecer de todas as rejeições, o tanto de não e talvez de quem partiu e te partiu ao meio? Deixa ela entrar e se esquece de quem já foi. Deixa ela mostrar que ninguém no mundo é igual e que elas, as outras, é que te perderam. Deixa esse teu receio machucado de lado e encara a menina nos olhos, sem casca, sem porém, sem esse papo de não querer nada sério, não querer viver em stereo porque o mute traz mais calma. Confessa que faz bem cuidar e ser cuidado por alguém, mesmo que das outras vezes o cuidado tenha acabado com uns ferimentos profundos a ferro e brasa. E larga essas tabelas do Excel, esses teus cálculos precisos demais sobre afastamento e quilometragem, essas justificativas esfarrapadas que se resumem a medo. Deixa ela entrar e jogar os teus papéis pro alto. Ou se deixa levar por esse vazio que cutuca, aperta, irrita e nunca se justificativa, e que você nega – mesmo sentindo – que sente.

Daniel Bovolento.    (via extinta)

eu crio umas paradas na minha mente que nem eu entendo


Eu gosto de você, porque eu não consigo ficar brava com você, não consigo ficar sem falar com você e não consigo nem pensar em te perder.


Por trás de uma grande mulher, sempre haverá outra morrendo de inveja.


Ás vezes as pessoas fazem jogo duro, porque precisam saber se os sentimentos da outra pessoa são reais.

One tree hill    (via diario-empoeirado)

fuzilei